Da Geral

Lembranças e depoimentos feitos por um apaixonado direto da Geral! Comentários sobre futebol e derivados.

sexta-feira, dezembro 01, 2006

Repetindo 1950: Crônica de uma tragédia



Fonte: Ducker

Repetindo 1950: Crônica de uma tragédia

Nasci em 52, mas estive na final de 50.
Publicado em 29.11.2005 no Jornal do Commércio do Recife

Por ANTÔNIO AZEVEDO*

"Finalmente, sei o que sentiram os 200.000 brasileiros que estavam no Maracanã, em 1950 (Brasil 1 x 2 Uruguai). Vivo no Recife há cinco anos e aqui redescobri o ambiente de futebol que vivi em São Paulo nos anos 60, e como bom santista não tenho outro time a não ser o meu.
Entretanto, pelo ambiente familiar que reina nas ruas e nos estádios daqui, vou freqüentemente aos jogos dos times locais. No sábado optei pelo jogo dos Aflitos. Provavelmente eu era o único entre os 21.950 torcedores do Náutico que não vestia a camisa alvirrubra, os outros 50 vestiam a do Grêmio. Sem entrar em maiores detalhes da partida, conhecidos por todos (vitória do Grêmio por um a zero, gol do menino Anderson, após expulsão de quatro de seus jogadores e após defesa de pênalti decisivo a favor do Náutico momentos antes pelo goleiro do Grêmio, Galatto - nota do editor), eis o que presenciei: durante os 25 intermináveis minutos de paralisação: os torcedores rezavam, andavam de um lado para o outro, sentavam, levantavam e vibravam a cada nova expulsão. Eu torcia para que houvesse mais uma e acabasse o drama. Sim, o drama, pois via os jogadores do Náutico se portando como os torcedores e temia pelo desfecho, pois o técnico, como todos lá presentes, também sem controlar as suas emoções, em nenhum momento reuniu a equipe e montou uma estratégia para os 10 minutos restantes, para usar com a vantagem de quatro jogadores.
De repente, pegaram a minha mão esquerda, era um menino de nove anos, que me disse que daria sorte. Quase simultaneamente um senhor fez o mesmo com a minha mão direita, a corrente espalhou-se pelo estádio, e quando olhei para a área do Náutico, o zagueiro Batata, o goleiro e mais outro jogador estavam ajoelhados e também de mãos dadas, rezando. Quando houve a defesa do pênalti, Kuki e outros jogadores se jogaram ao chão em desespero.
Na verdade, o time e a torcida prepararam-se psicologicamente para uma decisão naquele pênalti, esquecendo que ainda havia preciosos 10 minutos a jogar, com 11 alvirrubros contra sete gremistas. Logo a seguir, a torcida foi tomada por um sentimento de desespero, impotência e frustração jamais vista por mim em nenhuma outra situação: vi vovôs, vovós, garotos, garotas e crianças chorando copiosamente, sem saber o que fazer. Vi inúmeros torcedores falando sozinhos, clamando a Deus o porquê daquilo, gente na rua, que de repente, dava meia-volta em direção ao estádio, como se fosse possível voltar o tempo, vi gente andando e sem mais nem menos, de repente, parar, sentar no meio-fio e começar a chorar, vi inúmeros amigos amparando outros em tentativas inúteis de consolo e, sem sucesso, juntavam-se num abraço sofrido e vi muitos outros alvirrubros sentados e sem força para sair do estádio, pois não sabiam para onde ir e nem o que fazer...
Eu que tanto li e ouvi a respeito da comoção do Maracanã e que, na década de 60, na minha primeira visita a esse estádio sentei na arquibancada vazia e fiquei imaginando aquele fatídico dia, hoje posso afirmar: eu, que nasci em 1952, também estive naquela final de 1950!"
*Antonio Azevedo é paulista

Marcadores:

2 Comments:

  • At sábado, 02 dezembro, 2006, Blogger Glauco said…

    Belo texto e serve não apenas para lembrar o feito pra lá de heróico do Grêmio, mas também pra ficar feliz pelo Náutico, que teve sua alegria adiada somente por um ano e está de volta à primeira divisão.

     
  • At sábado, 02 dezembro, 2006, Blogger Sidarta said…

    Você é uma pessoa de sorte. Parabéns.

    O futebol é o que é por que acontece tudo, inclusive esses dramas.

    Abraços,

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home